domingo, 30 de outubro de 2016

Action figures da Liga da Justiça




















Todo mundo é fã da Liga da Justiça. Quem diz que não é está mentindo, só está triste por perdido o bonequinho do Superman no jardim e bloqueou essa memória da cabeça. E em homenagem aos fás de hominhos..ahém... figuras de ação da Liga da Justiça, fiz um pequeno compilado das melhores coleções.(e isso não é nem uma fração do que a DC-direct faz todo ano).


Em 1984 tivemos a coleção "Superpowers" produzida pela empresa Kenner que foi lançada junto com a nova temporada do desenho dos Superamigos "The Superpowers Team: Galactic Guardians". Foi uma coqueluche na época. O Batmóvel era um dos mais requisitados.


Em 1992, a companhia Kenner produziu a bem sucedida série de figuras baseadas em "Batman: a série animada".


Em 1996, a Kenner lançou uma coleção de heróis da DC com o visual bem invocado, totalmente "radical", chamada "Total Justice". Destaque para a inédita figura da "Caçadora" e do Hal Jordan como o vilão  Paralax.


Em 2003, o desenho da Liga da Justiça teve sucesso de proporções cósmicas, e o sucesso da série de figuras baseadas na série foi uma renascença da popularidade do colecionismo.


Em 2004, tivemos a sensacional, debulhante e totalmente elegante coleção HUSH (Silêncio) baseada no arco do Batman desenhado pelo Jim Lee.


Também em 2004 tivemos (finalmente) figuras baseadas nas HQs de Frank Miller: O Cavaleiro das Trevas.

 

Esta é a série "Justice"(2005) baseada nas pinturas do mestre Alex Ross. Provavelmente a série mais perfeita.


Esta série de figuras da DC Direct foi baseada na graphic novel "New Frontier" do mestre Darwyn Cooke, e é baseada na versão da era de prata da "Liga da Justiça" em 2006


Em 2008, foi a vez da série "All Star"(Grandes Astros) ganhar a sua linha de figuras, o Superman e a Lois Lane pela arte de Frank Quitely e o Batman e Batgirl pela arte de Jim Lee.


Também em 2008, a Eaglemoss lançou na Inglaterra a coleção de Miniaturas DC, 120 figuras de chumbo lançadas junto com uma revista, que fez sucesso no Brasil também.


Em 2009 tivemos uma série super nostálgica da "Liga da Justiça Internacional " baseada diretamente na arte do desenhista Kevin Maguire.


Também em 2009 tivemos a série da Liga da Justiça baseada no arco "Public Enemies" do Batman/Superman.desenhada pelo Ed Mcguiness


E também em 2009 tivemos uma série da Liga da Justiça baseada na arte fantástica do brasileiro Ed Benes.


2009 também foi o paraíso para os fãs do Lanterna Verde, pois uma excelente série de figuras baseadas em "A noite mais densa"(The Blackest Night) foi lançada.


Em 2009 foi lançada uma série de figuras baseada sensacional baseada no jogo Batman: Arkham Asylum.


Em 2011, a empresa americana HOTTOYS lançou uma figura hiperrealista do Superman com as feições do ator Christopher Reeve. É uma série surreal. Essa empresa também lançou figuras baseadas nos filmes Batman (1989) e Batman Begins (2005) entre outros.


Em 2012 a empresa japonesa Kotobukiya lançou estátuas de resina das super-heroínas da DC em estilo mangá Bishoujo (menina bonita). Na foto estão a Caçadora e a Poderosa versão anime.


Em 2012 a empresa japonesa Kotobukiya lançou uma série de estátuas da Liga da Justiça, baseada no visual dos Novos 52 do Jim Lee.


Em 2014, a empresa PlayArts lança uma série de figuras superestilizadas baseadas nos designs da equipe da Square Enix, que criou os jogos de FINAL FANTASY.


Em 2015 a empresa japonesa Kotobukiya lançou uma série figuras da Liga da Justiça no estilo superpowers da Kenner de 1984. Superdose de nostalgia.


A coqueluche da vez são os irresistíveis Funkopops, bonecos reminiscentes das ToyArts.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

A arte quadradônica de John Romita Jr


Só passando rapidamente para deixar umas artes do John Romita Jr, que com suas formas gorduchas e quadradonas é praticamente um Botero dos tempos modernos.  :)

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

As peripécias do Supermóvel


 
O seriado do Batman dos anos 60 fez muito sucesso desde que foi lançado, e um dos seus produtos mais rentáveis era a miniatura metálica do Batmóvel. Ela era cortesia da Corgi Toys, uma empresa inglesa especialista em carrinhos de metal.
 
 
Até que um dia os donos da Corgi começaram a pressionar a DC "Queremos fazer algo pro Super-homem! Um supercarro"  O que a DC responde "mas ele não precisa de carro, o Super-homem voa", mas a Corgi não quer nem saber e exige uma idéia para uma miniatura metálica.
 
 
Surge então o "Supermóvel", uma nave para proteger o Super-homem da Kryptonita!
 
 
Nos quadrinhos, a navezinha foi usada para proteger o Superman do poderoso androide AMAZO. Agora, faltava ele estrear nos desenhos animados dos Superamigos. O apocalíptico episódio "Terror da Zona Fantasma" estreou em 1978, e teve a idéia de que três criminosos kryptonianos escapam da zona Fantasma, se vingam do Super-homem enquanto destroem a Terra. Eles usam kryptonita vermelha para envelhecer o Superman que precisa escapar  para os destroços de Krypton a bordo do Supermóvel para conseguir a cura para o seu envelhecimento precoce.
 
 
O Super-homem derrota os kryptonianos usando sua esperteza e a mesma kryptonita vermelha para tirar os poderes dos vilões antes de enviá-los de volta à Zona Fantasma.
 
 
A idéia de que três criminosos krytonianos escapam juntos da Zona Fantasma foi aproveitada depois nos dois primeiros filmes do Superman. Zod tinha aparecido sozinho antes nas HQs dos anos 60, assim como Faora em separado, mas foi o filme que juntamente juntou os três juntos..
 
 
Esse dois filmes serviram de base para o filme "O Homem de Aço" do Zack Snyder. Infelizmente o Zack Snyder não sabe nada de Kryptonita Vermelha e simplesmente manda o Super quebrar o pescoço do Zod!
 
 
Então, que este post sirva de utilidade para os próximos filmes da DC, pois para derrotar kryptonianos sem precisar mata-los é só usar kryptonita vermelha....
 
 
E ter em mãos um Supermóvel  :)
 

domingo, 23 de outubro de 2016

Exposição "Museu do Videogame" no Shopping SP Market

 
Do dia 8 ao dia 30 de outubro de 2016 estamos tendo a exposição de videogame no Shopping SP Market, na zona sul de São Paulo. 250 consoles originais estão expostos em box de acrílico transparente, e outras dezenas estão ligadas em telas e prontas para jogar. Clássicos atemporais como Pong. River Raid, Super Mario, Street Fighter, Doom, Uncharted 4 estão ligados e prontos para serem admirados e jogados.  
Você poderá matar saudades do Master System, do Super Nintendo ou do Sega CD e poder ver em primeira mão consoles que você provavelmente nem sabia que existiam. Entre consoles bem sucedidos, experimentos corajosos e alguns que foram esquecidos, essa é uma verdadeira viagem no tempo.  Confiram algumas fotos das relíquias. Se você passar mal e desmaiar durante o evento,é só lembrar que você pode jogar tudo em um emulador no PC. :)
 


Telejogo Philco 2 (1978), com vários jogos na memória
 
 
"Atari, o inimigo que todos querem ter"


O "Onyx Jr", da segunda geração do Atari

 

Um dos adoráveis portáteis da Casio, de 1984, similares aos game-watch da Nintendo.


"Ei, Nintendo, o que vamos fazer hoje em 1989" "O que fazemos todo dia, DOMINAR o mundo.


Salve o GameCube, unificador de famílias!


Playstation! Lar da Lara, do Tidus, da Yuna, e do Kratos, o "Bom da Guerra"


O valente Nintendo DS, pioneira da tela touch-screen, lar de incontáveis RPGS


Um Playstation portátil (PSP) preto piano em toda sua lindeza. 


Com o PSVITA, a SONY prova de que se pode aperfeiçoar ainda mais a perfeição.


Mas a Nintendo promete reagir lançando o Nintendo 8 bits em tamanho TITÃ

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Os mangás americanos de Adam Warren


Adam Warren é um caso único nos quadrinhos. Pelo menos, eu não conheço outro desenhista de quadrinhos americano que ama tanto os mangás japoneses que chega a superá-los. Ele trabalhou para a Epic Comics (Dirty Pair),  DC comics (Novos Titãs), IMAGE (Gen-13) , MARVEL (Homem de Ferro), Dark Horse (Star Wars) e agora com trabalhos próprios (Empowered).
Em 1989 o desenhista queria comprar os direitos para desenhar uma HQ americana baseada no desenho animado japonês de comédia de ficção científica  "Dirty Pair"(1986). Ele conseguiu mostrar seu portfolio para o criador da série, que impressionado, autorizou a publicação da série, que sinceramente, na minha opinião é anos luz MELHOR que o desenho animado original.  Foi a maior prova de amor de um fã para uma série modesta.
Na história do anime "Dirty Pair", em um futuro distante a humanidade está espalhada por vário sistemas solares em uma gigantesca civilização galáctica. Nesse mundo, uma empresa particular de mantenedores de paz envia agentes para apaziguar "encrencas". No caso, eles mandam as duas agentes Kei e Yuri para resolver as situações, e elas sempre acabam deixando um rastro gigantesco e desproporcional de destruição, toda vez.
Adam Warren criou uma série de mangá completamente hilária, continuando a história do modesto anime. No mangá em português, elas foram chamadas de "Panteras do Espaço", que é o apelido pelo qual elas querem ser conhecidas, mas visto o banho de destruição que elas causam, elas receberam um apelido que odeiam, de "Panteras do Inferno". 




Para a DC comics. Adam Warren fez uma edição especial em estilo mangá para os NOVOS TITÃS. "Titãs, Pedra Papel e Tesoura".   (também publicada no Brasil pela editora Mythos)  Essa edição enigmática pegou um monte de gente de surpresa. Em um futuro longínguo, uma jovem mutante, Jamadagni Renuka, tenta salvar sua colônia de um ataque de monstros espaciais.  Ela tem o poder mutante de manipular a realidade e tornar real qualquer magia imaginária que ela quiser, por exemplo, criar um ataque real conjurando o jogo "jokenpô", de "pedra, papel e tesoura". Para defender a sua cidade, ela decide montar uma equipe baseada nos "super-heróis imaginários" e ela escolheu os "Novos Titãs" como base. Como os Titãs originais tinha um feiticeira (Ravena), um ciborque (Ciborgue), uma alienígena (Estelar) e um humano lutador bem intencionado (Robin) ela faz uma formação parecida.   Ela virou  a "feiticeira"(Bruxilda), a ciborgue (Musadróide), o alienígena baseado em energia que habita um corpo morto (Lindefunto) e o humano lutador bem intencionado (Capitão Casca Grossa).


"Grunge: O Filme".  Essa obra prima dos quadrinhos de humor transborda refêrências. Desde os filmes de kung fu e tiroteios de Hong Kong, até os outros personagens da IMAGE e os próprios mangás.   Só pra relembrar, no começo dos anos 90, o desenhista superstar Jim Lee foi um dos criadores da IMAGE comics, e ele tinha sua equipe, um sub-selo chamado Wildstorm e um dos carros chefe desse selo era a HQ "GEN 13". Se "Wildcats" era copiado ..ahem...  inspirado em "X-men", "Gen 13" era inspirado em "Novos Mutantes".  GEN 13  começou muito bem, roubando a cena com histórias muito bem desenhadas pelo fantástico J. Scott Campbell.  

Okay, nesse especial de 'GEN 13" o personagem Grunge, depois de ver um filme do Jet Li com sua namorada Roxy imagina como seria o seu filme de "Hong Kong" perfeito, com todos os clichês possíveis: cenas na China antiga, tiroteios em Hong Kong, manobras impossíveis com revólveres, kung fu "bêbado", todos sendo imaginados como se fossem os "heróis" da IMAGE.

No caso de Star Wars mangá, quase foi um caso de propaganda enganosa, só as capas eram desenhadas pelo Adam Warren, mas a arte interna era desenhada por um cara igualmente competente, o talentoso Hisao Tamaki, que também desenhou as "Dirty Pair" depois, o que prova que o mundo é pequeno.

Essas são as minhas dicas, todas essas HQs foram publicadas no Brasil a preço de banana, divirtam-se!  :)