sábado, 14 de maio de 2016

A série "A Fundação" do Isaac Asimov

Outra de minhas séries favoritas de livros do Isaac Asimov é a trilogia  da FUNDAÇÃO,  iniciada em 1942 e concluída em 1953.

Os três primeiros livros da série são: Fundação, Fundação e Império e Segunda Fundação. E também foram publicados e republicados em abundância no Brasil dos anos 80.

Num futuro distante, a humanidade está espalhada em um vasto império espalhado pela galáxia, e a capital é o planeta Trantor, um planeta que tem uma cidade que cobre o planeta inteiro.

Nesse mundo, o cientista Hari Seldon criou a "psicohistória" que é uma mistura de estatística, economia, matemática e psicologia, que permite criar completos fluxogramas que prevem o futuro. Uma pessoa é imprevisível, mas grupos de 10, de 100, de um milhão, já tem comportamento coletivo.

Ele previu que a civilização iria enfrentar uma grande crise (tal qual como o declínio do Império Romano), que faria tudo voltar à uma era das trevas, fazendo com que toda a história se perca. A NÃO ser que ele faça um back-up da história, em um lugar remoto, longe de qualquer cataclisma que se aproxime, e essa era a FUNDAÇÃO. Há, os gráficos da Fundação eram telas/paredes touch-screen com zooms que mostravam complexos fluxogramas, e isso foi escrito numa época em que computadores mal foram criados.

Vários cientistas começaram a contribuir com essa Wikipedia (isso foi escrito em 1951) galáctica, e eles iriam passar por grandes aventuras. Perseguição de naves espaciais, raios lasers, robôs (fembots), prédios gigantescos, cristais, telepatia, asteróides, internet, crítica política e paródia! tudo isso já existia nos mundos gigantescos criados por Isaac Asimov.

Depois do sucesso dessa série, o Asimov escreveu continuações e prequels. (soa familiar?) além de links com outras de suas séries que foram sucesso de público, como a série dos Robôs.

Estas são as ilustrações de capa da edições "pocket books" dos anos 90. 


Acredito que estas sejam de uma edição dos anos 70.


E a luxuosa e estilosa edição recente da Editora Aleph


E uma capa clássica de Fundação II